982: On Friday the 13th, Don't Be Freaked Out by the 'Micromoon'

The full micromoon adds a little extra creepiness to Friday the 13th.
(Image: © Viacheslav Lopatin/Shutterstock)

A full moon on Friday the 13th is spooky enough, but hold on to your black cats. September’s full moon will also be a “micromoon.”

Skywatchers in Central, Mountain and Pacific time zones will get a view of the full moon tonight (Sept. 13) at 11:32 p.m., 10:32 p.m. and 9:32 p.m., respectively, while East Coasters will see the moon at its fullest at 12:32 a.m. on the 14th. Regardless of time zone, the moon will appear just a bit dimmer than usual (eerie!), because it will be at apogee, or its farthest distance from Earth.

That means that the moon will appear about 14% smaller and 30% dimmer than when it is at its closest point to Earth, which is known as perigee.

Related: 5 Strange, Cool Things We’ve Recently Learned About the Moon

Moon mechanics

The moon’s orbit around Earth is elliptical. Each month, as this natural satellite orbits the planet, it passes through one apogee and one perigee. Moons at perigee are known as “supermoons.” The closest perigee of 2019 occurred on Feb. 19, when the moon traveled within 221,681 miles (356,761 kilometers) of Earth.

The farthest apogee of the year was also in February, on the 5th, when the moon was 252,622 miles (406,555 km) away. This month’s apogee puts the moon 252,511 miles (406,377 km) away.

Realistically, the difference between a supermoon and a micromoon is hard to spot. “[It’s] not enough to notice unless you’re a very careful moon-watcher,” Sky & Telescope magazine senior editor Alan MacRobert said in a 2016 statement. Indeed, the term “supermoon” appeared in the lexicon only in 1979, according to that statement, and it wasn’t until a spate of three supermoons in 2016 that the term became popular.

Moon terms

Though a dimmer-than-usual full moon could make Friday the 13th feel a little creepier, don’t expect werewolves and mayhem. Full moons have occurred on Friday the 13ths before to no ill effect, and lots of research finds that humans are not affected by the moon’s cycles. Contrary to popular myth, you’re not more likely to go into labor, have seizures or go mad in the face of a full moon.

It’s possible, though, that this month’s superstitiously timed moon could act as a public relations boost for the micromoon. Perhaps, because bigger is better, micro- or minimoons haven’t gotten the same attention as supermoons. Google minimoon, and you’ll find more results about taking a local honeymoon than you will about any astronomical phenomenon (though Live Science’s sister site Space.com has used the term). The term micromoon has been in play since at least 2016, as in this NASA side-by-side comparison of the moon at perigee and apogee. But while “supermoon” will net you more than 9.3 million Google results, micromoon clocks in at less than a million.

Will this month’s freaky Friday the 13th full moon change that? Stay tuned. The next full micromoon isn’t until Oct. 1, 2020.

Originally published on Live Science.
13/09/2019

A minha imagem conseguida desta Lua das Colheitas:





 

980: Este fim de semana poderá testemunhar o fenómeno incomum da micro-lua cheia

Hoje, sexta-feira 13, teremos um céu iluminado por uma Lua cheia. Contudo, pela primeira vez em 19 anos, esta vai surgir menor que o habitual. Trata-se de uma Lua das Colheitas, que acontece perto do equinócio de Setembro. Este é o período que marca o fim do verão e o início do outono boreal.

O fenómeno é conhecido por este peculiar nome que coincide com a época das colheitas agrícolas no Hemisfério Norte.

A Lua cheia mas com aspecto de micro-lua

No hemisfério norte, existe um fenómeno que se chama Lua da Colheita. Segundo informações, esta é uma Lua cheia próxima do equinócio do outono. Dependendo do seu fuso horário, o equinócio de outono de 2019 para o Hemisfério Norte chega no dia 22 ou 23 de Setembro. E a Lua cheia de Setembro chega na noite de sexta-feira, 13 de Setembro. Já para o resto do mundo, este evento chega dia 14 de Setembro.

Mas de que se trata esta Lua de Colheita?

A Lua da Colheita é apenas um nome. De certa forma, é como qualquer outro nome de Lua cheia. Contudo, estas luas cheias de outono têm características especiais, relacionadas com a época do nascer da Lua. A natureza é particularmente cooperante ao dar-nos Luas cheias perto do horizonte após o pôr do sol, durante várias noites seguidas, por volta da altura da Lua da Colheita.

Assim, em média, o nosso satélite natural nasce cerca de 50 minutos depois de cada dia. No entanto, quando uma Lua cheia acontece perto de um equinócio de outono, este fenómeno aproxima-se da hora do pôr do sol. Para latitudes moderadas, ela sobe apenas cerca de 25 a 30 minutos mais tarde, diariamente, durante vários dias antes e depois da Lua cheia da Colheita.

Para latitudes setentrionais muito elevadas, há ainda menos tempo entre os sucessivos nasceres da Lua.

A diferença entre 50 minutos e 30 minutos pode não parecer grande coisa. Contudo, isso significa que, nas noites depois de uma Lua de Colheita completa, iremos ver a Lua a ascender no leste logo após o pôr do sol. A lua vai subir durante ou perto do crepúsculo nestas noites, fazendo parecer que há várias luas cheias – durante algumas noites seguidas – por volta da época da Lua da Colheita.

Micro-lua cheia – Qual a razão para acontecer este fenómeno?
Há uma explicação para isso e as imagens em baixo ajudam a perceber:

No outono, a eclíptica – que marca o caminho aproximado da lua através do nosso céu – faz um ângulo estreito com o horizonte da noite.


O ângulo estreito da eclíptica significa que a Lua se eleva visivelmente mais para o norte no horizonte de uma noite para a outra. Assim, não há um longo período de escuridão entre o pôr do sol e o nascer da Lua.

Mas a Lua da Colheita é maior, mais brilhante ou mais colorida?

Não necessariamente. Como a órbita da Lua em torno da Terra não é um círculo perfeito, a distância da Lua da Colheita da Terra – e o tamanho aparente no nosso céu – é um pouco diferente de ano para ano.

Nesse sentido, em 2019, a Lua da Colheita é, na verdade, uma micro-lua ou mini-lua. É a Lua cheia mais distante e menor do ano. Contudo, há quatro anos – 28 de Setembro de 2015 – a Lua da Colheita era a super-lua mais próxima e maior do ano.

Ainda assim, em qualquer ano, podemos pensar que a Lua da Colheita parece maior, mais brilhante ou mais laranja. Isso porque este fenómeno tem uma mística muito poderosa. Muitas pessoas procuram-na logo após o pôr do sol na altura da Lua cheia. Depois do pôr do sol por volta da hora da lua cheia, o astro estará sempre perto do horizonte. Simplesmente terá ressuscitado. É a localização da lua perto do horizonte que faz com que a Lua da Colheita – ou qualquer lua cheia – pareça grande e laranja.

A cor laranja de uma lua perto do horizonte é um verdadeiro efeito físico. Ela decorre do facto de que – quando olhamos para o horizonte – estamos a olhar através de uma espessura maior da atmosfera da Terra do que quando olhamos para cima.

O tamanho maior do que o habitual de uma lua vista perto do horizonte é outra coisa completamente diferente. É um truque dos nossos olhos, na verdade, é ilusão. É a chamada de Ilusão da Lua.

Portanto, a última vez que este fenómeno teve lugar foi numa sexta-feira 13 no ano de 2000. Desta feita, só o voltaremos a ver de novo em 2049.

13 Set 2019