1119: As Gemínidas em 2019

Neste fim-de-semana ocorre a máxima actividade do enxame de meteoros das Gemínidas, que tem o radiante perto da estrela Castor na constelação de Gémeos. No entanto, a lua quase cheia (pois o instante de Lua Cheia ocorreu no dia 12 às 05h12min) estará no céu junto à constelação de Gémeos, o que significa que os meteoros mais fracos serão obscurecidos pela luz da lua e que a contagem total será reduzida drasticamente. Em vez de ver 60 ou mais meteoros por hora, estima-se que a contagem seja de cerca de 20 por hora.

Mesmo com este número mais reduzido e a perspectiva de uma noite fria de Dezembro, valerá sempre a pena a observação para os apaixonados por este tipo de fenómenos, que poderão nas noites de dia 13 e 14 perder algumas horas de sono para apreciar este belo espectáculo. Estes meteoros têm uma particularidade em relação à maioria dos meteoros que é a de serem coloridos.

O pico em Portugal decorre entre as 19 horas e as 23 horas no dia 14 de Dezembro de 2019. No início deste período serão visíveis longos rastos de meteoros vindos do horizonte nordeste, alguns dos quais irão percorrer toda a extensão do céu de Norte a Sul.

Com o passar das horas, o ponto radiante sobe mais alto no céu e os meteoros começarão a penetrar mais profundamente na atmosfera, ficando então os rastos mais curtos e com menor duração, se bem que a observação seja mais fácil nessa altura (por volta das 22 horas) por a constelação de Gémeos estar mais alta no céu.

Não perca então esta ocasião para ver ou rever as Gemínidas que são frequentemente brilhantes e intensamente coloridas.

Fig. 1 – Céu visível às 19:20 horas do dia 14 de Dezembro em Lisboa mostrando a constelação de Gémeos e as estrelas mais brilhantes Capela, Aldebarã, Altair e Vega.

Fig. 2 – Céu visível às 22 horas do dia 14 de Dezembro em Lisboa mostrando a constelação de Gémeos e a Lua.

Nota: O enxame de meteoros das Gemínidas decorre anualmente entre 4 e 17 de Dezembro quando a Terra cruza a órbita do Asteróide Faetonte e são os “detritos” largados por este asteróide os responsáveis pelo enxame de meteoros das Gemínidas. O nome deste enxame resulta dos traços das suas estrelas cadentes nos parecerem sair dum ponto da constelação dos Gémeos (o radiante).

Conselhos: ir para um local escuro, fora das luzes dos centros populacionais, com um horizonte desimpedido; esperar que os olhos se habituem à obscuridade (cerca de 30 minutos), agasalhar-se bem, e para maior comodidade levar uma cadeira.

Se o céu se apresentar límpido terá uma maravilhosa visão do céu. Ver-se-á as maravilhosas estrelas e constelações de Inverno já aparecerão em todo o seu esplendor: Aldebarã e as Plêiades do Touro, a linda Capela muito alta e os Gémeos Castor e Pólux.

Para obter mais informação sobre os “Enxames de Meteoróides” consulte no nosso site a página Almanaques/Outros elementos

Observatório Astronómico de Lisboa
Tapada da Ajuda
1349-018 Lisboa
PORTUGAL

Avatar

 

354: Em Abril, Portugal vai assistir a uma chuva de meteoros

© Reuters Em Abril, Portugal vai assistir a uma chuva de meteoros

No próximo mês de Abril, os fãs de fenómenos astronómicos vão poder assistir a uma chuva de meteoros, ideal também para os adeptos de fotografia, que podem captar belas imagens nocturnas (quem tiver câmaras de alta resolução, claro).

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, o evento vai ter lugar entre os dias 14 e 30 de Abril, mas o pico, ou seja, quando o fenómeno acontece com mais intensidade, deverá registar-se de 21 para 22 de Abril.

A página do Observatório refere, ainda, que às 19h de quinta-feira, no dia 22, está prevista a passagem de 18 meteoros por hora, a altura que deve, portanto, marcar na agenda para sair à rua e olhar para o céu.

MSN Notícias
Notícias Ao Minuto
09/03/2018


[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=1bd48c9d_1520635966320]

 

225: Chuva de estrelas ilumina o céu amanhã

© EPA

Juntamente com as luzes de natal que adornam as cidades nesta altura do ano, no céu também vão ser visíveis mais luzes que o normal, com a última chuva de meteoros significativa do ano.

Este mês a Terra cruza a órbita do asteróide Faetonte e os “detritos” deixados por este corpo celeste são os responsáveis pelo enxame de meteoros que decorre anualmente entre 4 e 17 de Dezembro. O fenómeno é denominado de Gemínidas, uma vez que os traços das estrelas cadentes visíveis no céu parecerem sair de um ponto da constelação dos Gémeos.

De acordo com a astrónoma Susana Ferreira, do Observatório Astronómico de Lisboa, este fenómeno atinge o seu pico na madrugada desta quinta-feira, por volta das 6.30 horas, com um número bastante elevado de meteoros, aproximadamente 120 por hora.

“Amanhã vai ser possível ver esta chuva de meteoros, que será a última (significativa) do ano, porque haverá boas condições de observação”, contou ao JN.

A última chuva de estrelas agendada para 2017 decorre de 17 a 26 de Dezembro, com o cruzamento da Terra com a órbita do cometa Tuttle, e que resultará na chuva de meteoros das Úrsidas. O fenómeno não será, no entanto, muito visível, contando com apenas 10 meteoros por hora.

MSN notícias
Jornal de Notícias
Marta Almeida Fernandes
13/12/2017

Mais uma adenda a esta notícia, com origem no OAL-Observatório Astronómico de Lisboa:

A noite de 13 para 14 de Dezembro será este ano uma boa ocasião de a observar. A constelação dos Gémeos começa a aparecer no horizonte nordeste por volta das 19h (hora de Lisboa), começando a ver-se o radiante que neste dia estará junto à estrela Castor, como se mostra na figura abaixo.  Será uma noite sem Lua, propícia às observações. A Lua nasce pelas 4h mas terá apenas 10% do seu brilho máximo pois está a aproximar-se da fase de Lua nova (que ocorrerá dia 18).  O pico das Gemínidas ocorrerá já de madrugada, pelas 06h30 do dia 14, com um número bastante elevado de 120 meteoros por hora. Nessa altura a constelação estará já próxima do horizonte oeste.

Os apaixonados por este tipo de fenómenos, e os curiosos em geral, poderão nas próximas noites perder algumas horas de sono para apreciar este belo espectáculo. Para as observar aconselhamos evitar a poluição luminosa das grandes cidades e procurar um horizonte desimpedido e naturalmente esperar por um céu sem nuvens.

Fig. 3 – (figura do IMO) mostra o radiante da chuva de meteoros das Gemínidas ao longo do período de actividade.

Nota; “Para as observar aconselhamos evitar a poluição luminosa das grandes cidades e procurar um horizonte desimpedido e naturalmente esperar por um céu sem nuvens.” Difícil, muito difícil, quase missão impossível no meu caso, mas boa sorte, bom céu e boa observação aliado a boas imagens a quem tiver condições para isso.


[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=9282b204_1513178257118]