1008: Dedicado aos "terraplanistas"

 
Ohhhhhh…!!!! E eu a pensar que a Terra era plaaaannnaaaaa… … !!! 🙂

O astronauta da NASA, Randy Bresnik, captou esta filmagem com uma câmara  GoPro em Outubro. 20, 2017 durante uma caminhada espacial fora da Estação Espacial Internacional 🤯




 

911: 50 anos do primeiro homem na Lua. Por que razão Armstrong saiu primeiro?

Há 50 anos, o homem pisou a Lua pela primeira vez. No dia 20 de Julho de 1969 o mundo parou à frente da televisão. O primeiro ser humano, Neil Armstrong, caminhava na Lua e todos puderam acompanhar em directo na Terra. Nesse dia foi escrita uma página importante na história da humanidade.

Depois de uma viagem muito atribulada e de momentos extremamente complicados, a nave alunou. Mas por que razão foi escolhido Neil Armstrong para ser o primeiro a pisar solo lunar?


Há 50 anos, Armstrong foi o primeiro a pisar a Lua

O comandante Neil Armstrong e o piloto Buzz Aldrin, astronautas da missão Apollo 11 da NASA, pousaram o módulo lunar Eagle no dia 20 de Julho de 1969, às 20h17 UTC. Portanto, passaram-se exactamente 50 anos.

Houston, Tranquillity Base here. The Eagle has landed.

Um impassível Armstrong transmitiu para o controlo da missão na Terra, após uma complicada manobra final quase sem combustível, na qual ele assumiu o controlo da nave para evitar uma cratera íngreme, informou a NASA.


A história da história da Lua

Conforme reza a história. Armstrong tornou-se na primeira pessoa a pisar a superfície lunar. Este feito aconteceu no dia 21 de Julho às 02h56 UTC. Ao mesmo tempo, este astronauta pronunciou a mítica frase histórica: “Este é um pequeno passo para o homem, um grande salto para a Humanidade”.

Aldrin juntou-se a ele 19 minutos depois. Ambos passaram duas horas a fazer testes, a fotografar e a recolher amostras de superfície. Então eles descolaram no topo do módulo lunar para entrar no módulo de comando Columbia, onde Michael Collins os esperava, orbitando a Lua para voltar à Terra.

Porquê Armstrong e não Aldrin

Os protocolos da NASA determinaram que, em casos análogos anteriores, como caminhadas espaciais, o astronauta mais jovem era o escolhido para ir ao exterior, enquanto o mais veterano estava encarregado dos controlos da nave.

Assim, na missão Apolo 11, a agência espacial originalmente planeou que Aldrin fosse o primeiro homem a pisar na Lua, e que o Major Armstrong fosse encarregado do módulo de pouso na Lua e depois descesse.

Contudo, o módulo lunar apresentou desafios de design que dificultaram esta ordem. A NASA refere nas ‘Expedições Apollo à Lua‘ que a escotilha abriu-se no lado oposto onde Aldrin estava sentado.

Para Aldrin sair primeiro (acima, fotografado por Armstrong a descer da Eagle Águia), teria sido necessário que um astronauta com uma mochila volumosa subisse a cima de outro, e quando esse movimento foi tentado, o modelo do módulo foi danificado.

Deke Slayton, seleccionado no primeiro grupo de astronautas que a NASA enviou ao espaço e director de operações da tripulação da NASA, explicou que permitir que Armstrong saltasse primeiro foi uma mudança básica de protocolo, já que era o comandante a missão.

De acordo com esta história da NASA, Armstrong disse que nunca lhe perguntaram se ele queria ser o primeiro homem a sair e a decisão não se baseou na classificação.


pplware
Imagem: NASA
Fonte: CNET



[vasaioqrcode]

910: Há 50 anos, Armstrong pousou na lua. Simulação mostra como foi

NASA

A equipa do Lunar Reconnaissance Orbiter Camera (LROC) da NASA recriou o pouso na superfície da Lua em 1969, do módulo lunar Apolo 11, conhecido como “Águia”, mostrando o que o astronauta Neil Armstrong viu da sua janela. 

O único registo visual da histórica alunagem da Apollo 11 é de uma câmara time-lapse de 16 mm, que foi colocada na janela do companheiro de Armstrong, Buzz Aldrin.

“No entanto, esta perspectiva mostra a visão da janela direita, perdendo completamente [devido ao pequeno tamanho das janelas do módulo lunar e ao ângulo em que a câmara foi colocada] os perigos que Armstrong viu quando a Águia se aproximou da superfície”, explicou o líder da equipa da LROC, Mark Robinson, citado pelo portal Space.com.

A equipe reconstituiu os últimos três minutos da trajectória de pouso da Águia, recorrendo a dados de arquivo aliados a novas imagem de alta resolução.

O vídeo começa quando Armstrong viu que seu o ponto pouso automatizado estava localizado no flanco rochoso a nordeste da Cratera Ocidental, com cerca de 190 metros de largura. Este não era um lugar perfeito para fazer alunar. Por isso, o astronauta assumiu o controlo manual e voou horizontalmente, procurando um lugar mais seguro para pousar.

“Naquela época, apenas Armstrong viu perigo. Estava muito ocupado a pilotar o módulo lunar para discutir a situação com o controlo da missão”, apontaram a equipa da LROC. “Depois de sobrevoar os perigos do flanco rochoso da Cratera Oeste, Armstrong descobriu um lugar seguro a cerca de 500 metros de distância, onde pousou cuidadosamente na superfície”, continuaram os cientistas.

Para mostrar a precisão da simulação, a equipa criou no vídeo uma visão lado a lado, onde é possível ver o filme original de 16mm juntamente com a visão simulada.

ZAP //

Por ZAP
21 Julho, 2019




[vasaioqrcode]
 

589: Vai poder tirar selfies com galáxias com a nova app da NASA

Imagem: NASA

A NASA tem toda uma panóplia de aplicações para smartphone, algumas mais viradas para áreas mais profissionais… e outras nem tanto. As duas novas aplicações da agência espacial inserem-se justamente no segundo grupo. 

As aplicações NASA Selfies e a TRAPPIST-1 foram lançadas para assinalar o aniversário de quinze anos do telescópio Spitzer Space. A primeira é a NASA Selfies e não podia haver um nome mais óbvio. A aplicação, que está disponível para iOS e Android, permite criar as próprias selfies espaciais sem sair do planeta Terra.

Quase como um filtro do Instagram ou Snapchat, o utilizador “veste” um fato espacial e pode tirar uma selfie com algumas das imagens captadas ao longo dos anos pelo telescópio. Também há uma parte de aprendizagem, claro, já que é possível aprender mais sobre as imagens e perceber em que condições foram captadas. Há cerca de 30 imagens diferentes que podem servir de cenário a estas selfies.

A outra aplicação lançada é a TRAPPIST-1, uma experiência de realidade virtual para os dispositivos Óculos e HTC Vive. A ideia passa por dar a oportunidade de fazer uma excursão pelo sistema planetário TRAPPIST-1, que conta com sete planetas de dimensões semelhantes à Terra.

A NASA explica que este sistema planetário está demasiado afastado para que os telescópios possam captar imagens reais, portanto a experiência de realidade virtual tira partido de simulações feitas por artistas, que se basearam nos dados captados pelo Spitzer ao longo destes quinze anos.

Para quem não tiver um headset de realidade virtual, está disponível uma versão em 360º da experiência, que dá a possibilidade de fazer a excursão através do desktop ou de smartphone com os Google Cardboard.

DN_Insider
Quinta-feira, 23 Agosto 2018
Cátia Rocha

(Foi corrigido 1 erro ortográfico ao texto original)



[vasaioqrcode]

[powr-hit-counter id=b1fb65d2_1535302227890]

299: Veja o fenómeno da Super Lua Azul de Sangue em directo

NASA vai transmitir tudo a partir das 10h30

A partir das 10h30 desta quarta-feira, a agência espacial norte-americana NASA vai transmitir em direito o fenómeno da Super Lua Azul de Sangue. Para assistir a partir da agência espacial, clique aqui.

Também o Facebook e o YouTube estão preparados para transmitir este fenómeno.

Super Lua Azul de Sangue resulta da sobreposição de uma Super Lua, uma Lua Azul e uma Lua de Sangue. A Super Lua designa uma fase de lua cheia no ponto mais próximo da Terra (o que faz com que apareça mais brilhante), a Lua Azul ocorre na segunda lua cheia num único mês. Já a Lua de Sangue acontece quanto há um eclipse lunar total, o qual apenas será observável na América do Norte, Austrália, Ásia, Rússia e Médio Oriente.


Jornal SOL
31/01/2018


[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=3a178b35_1517402521277]