650: Viajar no Espaço à boleia com os livros

Motivar crianças e jovens para a Astronomia e para as Ciências do Espaço através de leituras inspiradoras é o objectivo do Ler+ Espaço, um projecto nacional que é lançado hoje com a parceria do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

 

Estão abertas as inscrições para o Ler+ Espaço, um projecto que desafia os alunos dos ensinos básico e secundário a lerem e a pensarem em conjunto sobre o Espaço e o Universo. Esta é uma iniciativa aberta à rede escolar pública nacional e que resulta de uma parceria entre o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), o Plano Nacional de Leitura 2017-2027 (PNL2027), e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL).

“Se o Espaço é muitas vezes a motivação para procurar conhecer mais”, diz José Afonso, coordenador do IA e investigador da FCUL, “a leitura é a ferramenta essencial para o conseguir. Esta é pois uma parceria ideal, e que tem tudo para abrir os horizontes das crianças nas nossas escolas”.

Os grupos de alunos que aderirem ao projecto Ler+ Espaço serão convidados a escolher um dos livros de uma lista de leituras recomendadas, elaborada em conjunto pelo IA e pelo PNL2027 e disponível no portal do PNL2027.

Nestas recomendações de leituras incluíram-se tanto obras de não-ficção como literárias, mas todas ligadas aos temas do Espaço e do Universo. Ao longo do ano lectivo, os alunos deverão depois trabalhar em equipa e transpor o que aprenderam para outros formatos, como um modelo tridimensional de um planeta, ou um texto de ficção, por exemplo.

Para Cristina Sarmento, elemento da equipa do PNL2027, responsável pela coordenação do Projecto Ler+ Espaço, “não obstante toda a tecnologia hoje à disposição, o espaço continua a guardar mistérios e a espicaçar as imaginações, incluindo as dos jovens. Há mesmo toda uma indústria pop, dirigida tanto a jovens como a adultos – com filmes, jogos, banda desenhada – que se baseia na exploração do espaço, real ou ficcionado. Queremos partir desse terreno propício, que são a sua curiosidade e os seus interesses, para estimular a leitura e o gosto pelo saber.”

“Se o Espaço é muitas vezes a motivação para procurar conhecer mais”, diz José Afonso, coordenador do IA e investigador da FCUL, “a leitura é a ferramenta essencial para o conseguir. Esta é pois uma parceria ideal, e que tem tudo para abrir os horizontes das crianças nas nossas escolas”.

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) dará o apoio científico ao desenvolvimento dos projectos, e disponibiliza já online uma lista de sugestões de publicações periódicas, filmes, websites, entre outros, como recursos complementares a que os alunos poderão recorrer.

“O projecto Ler+ Espaço combina a leitura com o saber fazer, permite desenvolver o trabalho em equipa e a disciplina, uma vez que os participantes têm tarefas partilhadas e prazos a cumprir. Estas atitudes serão fundamentais no seu futuro.”
Cristina Sarmento, responsável pela coordenação do Projecto Ler+ Espaço

Aos autores dos três trabalhos que mais se destacarem será oferecido um curso de astronomia, uma observação do céu com telescópios e bilhetes para visitar o Planetário do Porto – Centro Ciência Viva ou o Observatório Astronómico de Lisboa.

Será também organizado o Encontro Nacional Ler+ Espaço, a decorrer em maio de 2019 na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Este será o momento em que os dez projectos finalistas serão apresentados e o júri, constituído por representantes das três instituições parceiras, seleccionará os trabalhos de maior destaque.

“Para além do prazer de dar asas à imaginação, após uma boa leitura, espero que este projecto possa dar a conhecer a todos os participantes muito mais do nosso Universo, um Universo deslumbrante, e dar a entender que, hoje, o Universo está ao alcance de todos”, comenta José Afonso.

Cristina Sarmento acrescenta, “O projecto Ler+ Espaço combina a leitura com o saber fazer, permite desenvolver o trabalho em equipa e a disciplina, uma vez que os participantes têm tarefas partilhadas e prazos a cumprir. Estas atitudes serão fundamentais no seu futuro.”

Os agrupamentos escolares, ou as escolas não agrupadas, poderão inscrever-se durante este mês de Outubro na plataforma online do PNL2027. Os trabalhos finais dos alunos deverão ser enviados até Março de 2019, e os dez projectos finalistas serão anunciados em maio desse ano.

ia – instituto de astrofísica e ciências do espaço
4 Outubro, 2018



[vasaioqrcode]
 

612: Orçamento Participativo Portugal > Votação até 30 Setembro 2018

O Orçamento Participativo Portugal é um processo democrático deliberativo, directo e universal, através do qual as pessoas apresentam propostas de investimento e que escolhem, através do voto, quais os projectos que devem ser implementados em diferentes áreas de governação. A votação ocorre até 30 de Setembro. Cada cidadão pode votar num projecto de âmbito nacional e noutro de âmbito regional.

O Prof. Doutor Rui Agostinho, docente da FCUL e director do OAL propôs, como cidadão, um projecto a votação no Orçamento Participativo Portugal. Fique a conhecer o projecto e participe na votação:

Âmbito Nacional

Projecto #582 – AstroCosmos: Aprender na Escola, no Campo e na Cidade, no Céu de Portugal
Proposto por Rui Agostinho
Votar online

É um projecto de Astronomia dando muita ênfase às Escolas, à formação dos alunos e professores, mas também é para o público. O projecto contribuirá para o desenvolvimento da Educação em Ciência e da Cidadania do Conhecimento, através destas acções que serão realizadas com as Escolas e com o público.

O projecto tira partido da posição privilegiada de instituições de divulgação científica, os CCVs, apoiadas por uma instituição do Ensino Superior em Lisboa, que tem reconhecida competência em Astronomia, no ensino, divulgação e investigação.

Está na proposta que um CCV deve estar em Lisboa, com uma localização de eleição e infraestruturas muito boas. Isto permitirá a observação do Sol e da Lua integradas nas sessões públicas regulares, onde as Escolas têm um assento preferencial.

O complemento perfeito está na excelente qualidade do céu alentejano, a Sul de Grândola, num CCV onde aflui muito público com regularidade e onde se farão observações astronómicas no grande telescópio, mas também para as suas actividades regulares de observação do Sol, da Lua e dos planetas. O que está planeado é que seja o CCV do Lousal, onde se têm feito este tipo de acções: funcionará bem.

As acções de formação com as Escolas terão acesso (local ou remoto) ao telescópio, e será criada um base de dados com imagens e projectos, de acesso livre. O Prof. Rui Agostinho fará a coordenação dos projectos de Formação e Ensino com as Escolas.

Será preciso comprar equipamento como as cúpulas, pequenos telescópios solares em Hα além de outros equipamentos para imagem (CCD, filtros, espectroscópio, etc). Mas o grande telescópio já existe na FCUL/OAL: é um Ritchey-Chrétien de 45 cm, com montagem equatorial de garfo.

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa
14 Set 2018



[vasaioqrcode]
See also Blogs Spacenews and Lab Fotográfico

411: Sessão lunar 26.Abr.2018

 

26042018@03:00 a.m.: céu com alguma nebulosidade, Lua a 85% o que vai dissipando o relevo das crateras pela forte iluminação vinda do Sol. Daqui para a frente nem vale a pena continuar a fotografar dado que é um disco branco sem relevo considerável.

Aliás, estou a considerar abandonar completamente a fotografia lunar via telescópios dado que as minhas várias tele-objectivas fotográficas de 500 a 2600mm, dão conta do trabalho, muito menos pesadas e com maior facilidade de manobra e transporte.

Encontra-se em vista uma Nikon Coolpix B700 ou uma Nikon Coolpix P900 que possuem fantásticos zoom’s digitais para este tipo de trabalho de astrofotografia lunar.

A sessão de hoje não me satisfez completamente, foi medíocre, dado não só pelas condições atmosféricas como pela própria fase da Lua. Não compensou o ter acordado às 03:00 a.m. e ter perdido uma hora na sessão. Ficam as imagens:









Imagens acima obtidas com:

  • Câmara Canon EOS 760D
  • Disparador remoto Canon RS-60E3
  • Super tele-objectiva Samyang catadióptrica ∅95mm DF 500~1000mm f/6.3
  • Super tele-objectiva Samyang ∅95mm DF 650~2600mm f/8.0-16.0
  • Telescópio SkyWatcher reflector Maksutov ∅127/1500mm
  • Telescópio SkyWatcher refractor ∅80/400mm
  • Montagem Equatorial SW EQ3-2 com 2 contrapesos Baader 2kg na dovetail
  • DX steel tube field tripod for astronomical mounts – Vixen Level
  • Buscador Skywatcher 9×50 com retícula iluminada
  • Filtro planetário #8
  • Filtro Explore Scientific ND-0.9 1,25″
  • Diagonal dieléctrica GSO 90º 2″
  • Ocular de projecção GSO CPL Super Plossl ∅42mm 2″
  • Ocular Vixen ∅25mm 1.25″
  • Anel T2 de baixo perfil e anel T2 standard





[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=28e4fa5e_1524734738630]

 
 

379: Actualização de setup foto-lunar

Efectuadas as últimas instalações, configurações e montagens, o actual setup óptico com que trabalho na fotografia lunar é o que se encontra nas imagens abaixo. A este setup, há a considerar as diagonais de 1,25″, as várias oculares, o adaptador para projecção através de oculares, os filtros planetários, a lente de Barlow Powermate Televue 2,5x, anéis e tubos extensores, adaptadores e conversores de 1,25″ a 2″ e vice-versa, etc..

Na próxima sexta-feira, termina o prazo dado pela Bresser/Alemanha, para dar uma resposta sobre o refractor Bresser-Messier AR ∅102/1000mm que ali se encontra para análise sobre a não focagem da óptica. Veremos qual o desfecho desta situação.







[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=9f56726a_1522065722370]

 

373: SkyWatcher 80/400 refractor

Chegou hoje o tubo OTA refractor SkyWatcher 80/400 e já se encontra instalado por cima do SW Mak 127/1500. Segue-se um vídeo não de unboxing, mas para verificação do equipamento e mais algumas imagens da montagem dos dois tubos. O segundo contrapeso de 1kg também já foi roscado ao primeiro, ficando com um total de 2kgs na dovetail do Mak 127.


[slideshow_deploy id=’4517′]



[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=cb2dbb86_1521729089670]

 

350: Os Dias do Futuro

Conhecer os planetas à luz da sua estrela e antecipar o futuro do Sistema Solar.

Tiago Campante estuda a física das estrelas, em particular os sismos no seu interior, para conhecer o seu tamanho, a massa e a idade. Esta informação é vital para poder caracterizar os exoplanetas que são descobertos a orbitá-las.

Tiago Campante é investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Universidade do Porto, e falou a Os Dias Do Futuro (Antena1) sobre o seu projecto, que será agora apoiado por uma bolsa Marie Curie (Marie Skłodowska-Curie Actions).

Ouvir a partir do minuto 12m 56s

https://www.rtp.pt/play/p383/e334191/os-dias-do-futuro

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1831]

[powr-hit-counter id=62fef40c_1520535388540]