1432: 17.Abr.2021@21:56

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Abril 2021

 

Moon: 27.4%

Waxing Crescent

Current Time: 17 de Abr de 2021, 22:27:58
Moon Direction: 278,08° W
Moon Altitude: 31,34°
Moon Distance: 401.520 km
Next Full Moon: 27 de Abr de 2021, 4:31
Next New Moon: 11 de Mai de 2021, 19:59
Next Moonset: Tomorrow, 1:30

17042021@21:56

©® astrofotography.eu é um domínio registado por F. Gomes

 

1431: As 2 Super Luas de 2021

No final de Abril de 2021 ocorrerá uma Super Lua no dia 27 de Abril. Para além dessa, haverá uma segunda Super Lua no dia 26 de Maio. Estas serão as 2 únicas Super Luas de 2021. Os instantes de Lua Cheia não coincidirão exactamente com os instantes do perigeu. A Super Lua mais favorável para observar será a do dia 26 de Maio, em que os instantes do perigeu e da lua cheia estão apenas desfasados de 9:25 horas, enquanto que na de dia 27 de Abril o desfasamento é de 11:50 horas. Isto faz com que a observação da Lua seja mais interessante no seu nascimento no dia 27 de Abril pelas 21:06 horas e no dia 26 de Maio pelas 21:14 horas.

Veja-se na tabela abaixo os instantes de lua cheia, lua no perigeu, nascimento e ocaso da lua e também do sol para as duas Super Luas de 2021.

Gostaríamos de realçar a Super Lua de maio que vai ocorrer durante um Eclipse total da Super Lua.  O seu perigeu ocorrerá na quarta-feira dia 26 de Maio pelas 02h49min, enquanto o seu instante de Lua Cheia ocorrerá às 12h14min  do mesmo dia. O Eclipse total da Super Lua ocorrerá ao meio dia de quarta-feira dia 26, não sendo visível a sua observação por ocorrer à luz do dia. Neste dia, a lua começará a entrar na penumbra pelas 09h46. Às 10h45, a lua entra na sombra e ficará completamente coberta a partir das 12h10. Pelas 12h19 o eclipse atinge o seu máximo, permanecendo na totalidade até às 12h28. A partir das 13h53, a Lua sai totalmente da sombra, terminando a ultima fase do eclipse pelas 14h51.

Observa-se nesta tabela abaixo que as distâncias do perigeu e apogeu não são constantes e que em 2021 o perigeu mais próximo é a 26 de maio. A lua nesse dia estará mais exuberante por atingir a distância mínima da Terra e a fase de Lua Cheia ocorrer poucas horas depois.

Para obter informação sobre os azimutes, altura e passagem meridiana da Lua consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2021/ Passagem Meridiana, Altura e Azimute da Lua (Lisboa).

Relembramos a definição de Super Lua: Fala-se em Super Lua sempre que o instante de Lua Cheia ocorre quando a Lua está a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita. Em termos temporais, isto significa que a diferença entre os instantes de Lua Cheia e do perigeu é menor do que 1 dia e 8 horas. Segundo esta definição é possível ocorrer uma Super Lua frequentemente, mas nem todas terão o mesmo tamanho e brilho aparentes. Consulte aqui nesta tabela a lista das Super Luas que irão ocorrer até 2050, “As Super Luas até 2050”

Note-se ainda que quando se observa a lua próxima do horizonte, ocorre um efeito extra de ampliação, mas que é apenas uma ilusão óptica… confirme AQUI!

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa
31 Mar 2021

© ® astrofotography.eu é um domínio registado por F. Gomes

 

1430: O céu nocturno de Abril em 2021

A Super Lua de Abril

A primeira Super Lua de 2021 ocorrerá na terça-feira dia 27, quando a Lua se encontra simultaneamente em fase de Lua Cheia e a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita.

Na terça-feira dia 27 às 04h32 (hora de Lisboa) a Lua estará em fase de Lua Cheia, atingirá o perigeu no mesmo dia às 16h22 (a 357377,973 quilómetros da Terra), e estando os 2 acontecimentos apenas desfasados entre si de 11h50. No dia 27 a Lua nasce às 21h06 no azimute 70º, contado de Sul para Este. Nessa altura, a Lua vai parecer maior do que o habitual, não apenas devido à ocorrência de Super Lua, mas também porque estando próxima do horizonte vê-se mais ampliada, o que é apenas uma ilusão de óptica. A Super Lua encontra-se na constelação de Balança e logo acima  ver-se-á o triângulo da Primavera formado pelas estrelas: Arcturo, Espiga e Régulo. Marte estará localizado mais acima do lado oeste na constelação de Gémeos, como mostra a figura abaixo. No dia seguinte, dia 28, a Lua nasce às 22h25 e continuará a parecer maior do que o habitual.

Fig. 1 – Céu visível às 22:00 horas do dia 27 de Abril em Lisboa mostrando a Super Lua, o planeta Marte, o triângulo da Primavera e as estrelas mais brilhantes: Sírio, Arturo, Capela, Prócion e Betelgeuse.

Veja aqui com mais detalhes a notícia do OAL referente às duas Super Luas em 2021.

Todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados no céu nocturno de Abril de 2021

Mercúrio será visível ao anoitecer a partir do dia 24 na constelação de Peixes, e depois passa para a constelação de Carneiro. Encontra-se visível na direcção  Sudoeste.  A sua magnitude no inicio do mês varia de -0,6 a 2,1. Consulte aqui toda a informação sobre a “Observação de Mercúrio” e sobre a “Visibilidade de Mercúrio em 2021”.

Vénus será visível ao anoitecer a partir do dia 21 na constelação de Peixes, movendo-se depois para a constelação de Carneiro. Encontra-se visível na direcção  Sudoeste.  A sua magnitude no inicio do mês é de -3,8.

Marte será visível durante a primeira parte da noite na constelação de Touro, movendo-se depois para a constelação de Gémeos, a sua tonalidade avermelhada auxiliará a sua identificação. Encontra-se na direcção Oeste.  A sua magnitude ao longo do mês varia de 1,3 a 1,6.

Júpiter será visível ao amanhecer na constelação de Capricórnio. Encontra-se na direcção Sudeste. No dia 7, Júpiter estará a 4°N da Lua pelas 9 horas. A sua magnitude ao longo do mês varia de -2,1 a -2,2.

Saturno será visível ao amanhecer na constelação de Capricórnio.  Encontra-se na direcção Sudeste. No dia 6, Saturno estará a 4°N da Lua pelas 8 horas. A sua magnitude ao longo do mês varia de 0,7 a 0,8.

Fig. 2 – Céu visível às 06:00 horas do dia 1 de Abril em Lisboa mostrando os planetas Júpiter e Saturno.

Fig. 3 – Céu visível às 21:00 horas do dia 15 de Abril em Lisboa mostrando o planeta Marte e as estrelas mais brilhantes: Sírio, Arturo, Capela, Aldebarã, Prócion, Betelgeuse e Rígel.

Tabela do nascimento, passagem meridiana e ocaso dos planetas

Úrano e Neptuno também visíveis no céu nocturno de Abril

Úrano, estará visível na constelação de Peixes e Neptuno estará visível na constelação de Aquário, onde permanecerá durante todo o resto do ano. Os planetas Úrano e Neptuno terão de ser observados com telescópio, já que nunca são visíveis à vista desarmada.

Para obter mais informação sobre a “Visibilidade dos Planetas” consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2021/ Visibilidade dos Planetas em 2021 e consulte também a tabela Nascimento, Passagem Meridiana e Ocaso dos planetas (Lisboa).

A chuva de meteoros das Líridas

A partir de meados de Abril tem inicio as Líridas, umas das chuvas de meteoros de menor intensidade. Têm uma duração de visibilidade entre 14 a 30 de Abril, com a actividade máxima de apenas 18 meteoros na THZ (Taxa Horária Zenital). O pico desta chuva de meteoros ocorre às 14:00 horas do dia 22 de Abril o que impede de se observar o máximo da actividade. Como esta constelação só começa a nascer depois da meia-noite, a nordeste, as observações deverão iniciar-se na 2ª metade da noite. As Líridas são conhecidas desde os tempos antigos pois aparecem nos registos chineses de 687 a.C. onde os cronistas relataram que “as estrelas caem como chuva”.

As Líridas estão associadas aos restos de poeira deixados pela passagem do cometa Tatcher. Quando estas partículas entram na nossa atmosfera provocam um fenómeno de “chuva de meteoros” ou “estrelas cadentes”. O nome desta chuva de meteoros resulta dos traços das suas estrelas cadentes nos parecerem sair dum ponto da constelação da Lira.

Fig. 3 – A deslocação da posição do radiante das Líridas entre 15 a 25 de Abril. Créditos de imagem: IMO

Tabela com a informação sobre as chuvas de meteoros das Líridas

Para obter mais informação sobre “Enxames de meteoróides”, e também um a pequena informação sobre a história deste enxame, consulte no nosso site a página Enxames de Meteoroides.

Fases da Lua em Abril

Como é bem conhecido, as fases da lua são determinadas pelas posições relativas do sistema sol-lua-terra. À medida que a lua se move à volta da Terra, ambos os astros progridem à volta do sol, ocorrendo todos os meses Lua Cheia quando há um alinhamento do tipo Sol–Terra–Lua. A Lua Nova ocorre quando há um alinhamento do tipo Sol–Lua–Terra e nas posições intermédias ocorrem o Quarto Crescente e Quarto Minguante. O período que a lua demora para passar pela mesma fase é de 29,5 dias, conhecido como mês sinódico (ou uma lunação).

Para obter mais informação sobre as “Fases da Lua” consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2021/ Fases da Lua e consulte também a tabela Nascimento, e Ocaso da Lua (Lisboa).

A órbita lunar em Abril

A órbita da lua é aproximadamente uma elipse de excentricidade média 5,5%. A lua demora 27,3 dias a completar a translação (um mês lunar). A órbita elíptica faz com que a lua ora esteja mais perto, ora mais longe da Terra. O ponto orbital mais próximo da Terra é denominado Perigeu e o ponto mais afastado chama-se Apogeu. A distância média Terra-Lua é <dTL>= 384.400 km. A tabela abaixo indica os instantes do apogeu e perigeu lunar com a distância da Terra à Lua em unidades de RT (Raio Terrestre).

Tabela com a informação sobre o Apogeu e Perigeu lunar

Para obter mais informação sobre o “Apogeu e Perigeu lunar” consulte no nosso site a página Almanaques/Dados de 2021/ Apogeu/Perigeu lunar e consulte também a tabela Apogeu/Perigeu lunares e distâncias Terra-Lua.

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa
31 Mar 2021

© ® astrofotography.eu é um domínio registado por F. Gomes

 

1429: 16.Abr.2021@19:13

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Abril 2021

 

Moon: 19.1%

Waxing Crescent

Current Time: 16 de Abr de 2021, 21:41:04
Moon Direction: 276,93° W
Moon Altitude: 29,97°
Moon Distance: 404.110 km
Next Full Moon: 27 de Abr de 2021, 4:31
Next New Moon: 11 de Mai de 2021, 19:59
Next Moonset: Tomorrow, 0:34

Stellarium

16042021@19:13

Ainda estava muita luz diurna, sendo mais difícil imagens nítidas.

 

1428: 06.Abr.2021@06:55

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Abril 2021

 

Moon: 30.9%

Waning Crescent

Current Time: 6 de Abr de 2021, 7:04:42
Moon Direction: 144,22° SE
Moon Altitude: 19,55°
Moon Distance: 385.113 km
Next New Moon: 12 de Abr de 2021, 3:30
Next Full Moon: 27 de Abr de 2021, 4:31
Next Moonset: Today, 14:32

Stellarium

Stellarium

06042021@06:55

Imagens obtidas já com claridade diurna

 

1427: Encontro de Astrónomos Amadores e Maratona Messier

SÁBADO, 10 DE ABRIL DE 2021 ÀS 15:00 UTC+01

Encontro de Astrónomos Amadores e Maratona Messier

Grátis · Evento online

Organizador

Detalhes

Evento online

Sábado, 10 de Abril de 2021 às 15:00 UTC+01

Preço: grátis

Público · Qualquer pessoa no Facebook ou não

O Observatório do Lago Alqueva juntamente com a Associação Portuguesa de Astrónomos Amadores e o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço organizam um encontro de Astrónomos Amadores na tarde do dia 10 de Abril.

Nesta noite, realiza-se a Maratona de Messier do OLA onde se pretende observar ao telescópio o maior número possível de galáxias, nebulosa e enxames abertos e fechados de um total de 110 objectos catalogados pelo astrónomo francês do século XVIII, Charles Messier.

Para participar registe-se online para receber a ligação do evento

https://docs.google.com/…/1FAIpQLSc3aiVWhIbNCk…/viewform

 

1426: Um Olhar de Relance sobre o ESO

A astronomia é muitas vezes descrita como a ciência mais antiga e, não há dúvida de que, a visão da majestosa Via Láctea – atravessando o céu numa noite límpida – deve ter sido uma visão inspiradora para as pessoas de todos os tempos e culturas. Actualmente a astronomia destaca-se como uma das ciências mais modernas e dinâmicas, usando algumas das mais avançadas tecnologias e sofisticadas técnicas. Presentemente atravessamos um período extremamente estimulante para a astronomia: a tecnologia permite-nos agora estudar objetos nos mais longínquos locais do Universo e também detectar a presença de planetas em torno de outras estrelas. Podemos começar a formular a resposta à questão fundamental que a todos fascina: estaremos sós no Universo?

O Observatório Europeu do Sul (ESO) é uma organização intergovernamental de ciência e tecnologia preeminente que se destaca por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica.

O ESO opera três observatórios de ponta na região do deserto de Atacama, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. O primeiro, La Silla, situa-se a 2400 m de altitude, 600 km a norte de Santiago do Chile. Este observatório acolhe vários telescópios ópticos com espelhos de diâmetros que vão até aos 3,6 metros. O New Technology Telescope de 3,5 metros abriu um novo caminho relativamente à concepção e construção de telescópios e foi o primeiro no mundo a ter o espelho principal controlado por computador, uma tecnologia desenvolvida no ESO e hoje aplicada à maior parte dos grandes telescópios do mundo inteiro. É no telescópio de 3,6 m do ESO que se encontra montado o principal responsável pela descoberta de planetas extra-solares do mundo: o HARPS (High Accuracy Radial velocity Planet Searcher), um espectrógrafo com uma precisão sem precedentes.

Embora La Silla continue a ser um observatório de ponta ocupando, a nível mundial, o segundo lugar no que concerne a produtividade da astronomia feita a partir do solo, o observatório do Paranal, a 2600 metros de altitude, onde se encontra o Very Large Telescope (VLT) é o padrão de referência da astronomia europeia. O Paranal situa-se a cerca de 130 km a sul de Antofagasta, no Chile, 12 km para o interior relativamente à costa do Pacífico, e é um dos sítios mais secos do planeta. As operações científicas começaram em 1999 e resultaram já em muitos e variados programas de investigação muito bem sucedidos.

O VLT é um telescópio bastante invulgar, baseado em tecnologia de ponta. Não é, na realidade, apenas um, mas sim um conjunto de quatro Telescópios Principais, cada um com um espelho principal de 8,2 metros de diâmetro. Com um destes telescópios podemos obter imagens, numa hora de exposição, de objectos celestes de magnitudes tão fracas como 30, o que corresponde a observar objectos que são quatro milhares de milhões de vezes menos brilhantes dos que os observados a olho nu.

O VLT é ainda composto por quatro telescópios adicionais, os Telescópios Auxiliares, de 1,8 metros de diâmetro que se podem deslocar. Uma das particularidades mais interessantes do VLT é a possibilidade de ser utilizado como um interferómetro óptico gigante (o interferómetro do VLT ou VLTI). Para isso combinamos a luz de vários dos telescópios, tanto dos Telescópios Principais como dos Telescópios Auxiliares. Em modo de interferómetro, o telescópio tem uma visão tão nítida como a que corresponde a um telescópio com um tamanho igual ao da separação entre os espelhos mais afastados. No VLTI, e utilizando os Telescópios Auxiliares, este valor pode chegar aos 200 metros.

Por ano, são apresentadas 2000 propostas de observação para a utilização dos telescópios do ESO, o que corresponde a quatro a seis vezes mais noites do que as disponíveis. O ESO é o observatório astronómico terrestre mais produtivo do mundo, o que equivale a muitas publicações anuais em revistas da especialidade com arbitragem científica: em 2013 foram publicados mais de 840 artigos baseados em dados do ESO. Adicionalmente, os artigos científicos baseados em dados do VLT são, em média, citados duas vezes mais que o normal. A elevada eficiência das “máquinas científicas” do ESO dão actualmente origem a enormes quantidades de dados a uma taxa muito elevada. Estes dados são guardados no Arquivo Científico permanente que se situa na Sede do ESO. O arquivo contém mais de 1,5 milhões de imagens e espectros, com um volume total de cerca de 65 terabytes (65 000 000 000 000 bytes), o que corresponde ao conteúdo de cerca de 30 milhões de livros de 1000 páginas cada um. Esta quantidade de livros ocuparia mais de 1000 quilómetros de estantes!

O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), o maior projecto de astronomia terrestre que existe, é uma infra-estrutura revolucionária na astronomia mundial. O ALMA é constituído por uma rede de 66 antenas gigantes, de 12 e 7 metros de diâmetro, que observa na região das ondas de rádio milimétricas e sub-milimétricas. O ALMA começou as observações científicas em 2011 e foi inaugurado em 2013. O ALMA encontra-se no Llano de Chajnantor, a 5000 m de altitude – o que o torna num dos telescópios astronómicos mais altos do mundo. O projecto ALMA é uma parceria entre o ESO (que representa os seus Estados Membros), o NSF (EUA) e o NINS (Japão), em conjunto com o NCR (Canadá), o NSC e ASIAA (Ilha Formosa) e o KASI (Coreia do Sul), em cooperação com a República do Chile. O Observatório ALMA é operado conjuntamente pelo ESO, AUI/NRAO e NAOJ.

O Chajnantor alberga igualmente o APEX, um telescópio de 12 metros, que trabalha em ondas de rádio milimétricas e sub-milimétricas, e é operado pelo ESO em prol do Observatório Espacial Onsala, do Instituto Max Planck para a Rádio Astronomia e do próprio ESO.

O passo seguinte é a construção do Extremely Large Telescope (ELT), um telescópio óptico/infravermelho com um espelho primário de 39 metros de diâmetro. O ELT será “o maior olho do mundo virado para o céu” – o telescópio no óptico e no infravermelho próximo maior do mundo inteiro – e o ESO está a delinear, juntamente com a comunidade, planos detalhados para a sua construção. O ELT permitirá obter respostas para as mais pertinentes questões em aberto da astronomia moderna e provavelmente revolucionará a nossa percepção do Universo, do mesmo modo que a luneta de Galileu o fez há 400 anos. Foi dada luz verde para a construção do ELT no final de 2014 e a primeira luz do telescópio está prevista para 2024.

A Sede do ESO situa-se em Garching, perto de Munique, na Alemanha. É lá que se encontra o centro científico, técnico e administrativo do ESO e onde são executados os programas de desenvolvimento técnico, de modo a dotar os observatórios dos mais avançados instrumentos.

ESO – European South Observatory

– Pode também ler este artigo no meu Blogue SPACENEWS 2.

 

 

1425: 25.Mar.2021@19:27

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Março 2021

 

Moon: 88.3%

Waxing Gibbous

Current Time: 25 de Mar de 2021, 19:41:17
Moon Direction: 110,08° ESE
Moon Altitude: 48,82°
Moon Distance: 375.430 km
Next Full Moon: 28 de Mar de 2021, 19:48
Next New Moon: 12 de Abr de 2021, 3:30
Next Moonset: Tomorrow, 5:32

Stellarium

25032021@19:27

Céu bastante nublado. São visíveis nas imagens, as manchas escuras provocadas pela passagem das nuvens.

 

1424: 24.Mar.2021@19:57

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Março 2021

 

Moon: 82.0%

Waxing Gibbous

Current Time: 24 de Mar de 2021, 23:54:22
Moon Direction: 248,28° WSW
Moon Altitude: 55,20°
Moon Distance: 380.362 km
Next Full Moon: 28 de Mar de 2021, 19:48
Next New Moon: 12 de Abr de 2021, 3:30
Next Moonset: Tomorrow, 4:56

Stellarium

24032021@19:57

 

1423: 23.Mar.2021@19:01

Lisbon, Portugal
Moonrise, Moonset, and Moon Phases, Março 2021

 

Moon: 71.5%

Waxing Gibbous

Current Time: 23 de Mar de 2021, 19:22:27
Moon Direction: 127,75° SE
Moon Altitude: 68,05°
Moon Distance: 387.479 km
Next Full Moon: 28 de Mar de 2021, 19:48
Next New Moon: 12 de Abr de 2021, 3:30
Next Moonset: Tomorrow, 4:15

Stellarium

23032021@19:01